Home GIRO BRASIL Novos acordos de TV devem exigir transparência da CBF

Novos acordos de TV devem exigir transparência da CBF

65

Saiu na coluna de Rodrigo Mattos, no UOL, informando que a CBF prepara pacote para a venda de direitos de transmissão de pelo menos 37 partidas da seleção até 2022. A informação levanta dúvidas em torno dos procedimentos da entidade. Os motivos são vastos.

Foram desses contratos que dirigentes da CBF enriqueceram ilicitamente. Pior, fez a televisão determinar de forma impositiva o modelo de exibição dos jogos, no estapafúrdio horário de 22 horas no meio de semana, sem nenhum respeito ao torcedor e interferência de quem lhe cedeu os direitos.

Ou, ainda, como aplicará o dinheiro com a venda das transmissões do time do Brasil, sabendo que na ponta final dos elos da CBF e suas associadas, as federações, existe uma imensidão de clubes em condições falimentares, com atletas muito mal pagos, participando de torneios altamente deficitários – aqui não está se dizendo para pagar dívida de clubes, mas encontrar fórmulas para diminuir esse caos, aproveitando o recurso que tem.

A seleção é o lado bom do futebol brasileiro, assim como o é a Série A do Campeonato Brasileiro – já a partir da Série B começam as ressalvas de organização e estrutura, seguindo até aos agonizantes campeonatos estaduais.

A venda dos direitos de televisão é o pontapé do que entra de recurso na CBF. É a partir disso que se movimentam patrocínios e exposição de marcas arregimentadas pela confederação.

A teia de corrução suspeita na CBF percorre também esses contratos (com anunciantes), seguindo pela rede de serviços necessários para suprir a entidade na logística (deslocamentos, hospedagem, alimentação) de acordo com o calendário do time principal da entidade.

O montante desses 37 jogos (que podem ser mais) deve passar de R$ 200 milhões, levando em conta o que foi pago no passado. São basicamente partidas das eliminatórias da Copa de 2022 e amistosos – Copa América e os dois próximos Mundiais os direitos já estão negociados e envolvem acordos com entidades internacionais.

É esperada uma pulverização das transmissões de jogos da seleção nas diferentes plataformas – TV aberta, TV fechada e mídias digitais – nesse pacote a ser licitado pela CBF ainda em setembro.

Fica a esperança de a CBF dar transparência ao processo, com auditoria independente e explicação clara do resultado. É o mínimo que o torcedor esperado de uma entidade que ainda não foi capaz de mostrar diferença de atuação no intrigante modus operandi revelado no caso FIFA em 2015.